8 hábitos para fazer de manhã que irão revolucionar sua produtividade
23/05/2016
Depressão, o que é isso?
23/05/2016
Mostrar todos

Esqueça a história de que “opostos se atraem” – gostamos é de quem se parece conosco

Esqueça a história de que “opostos se atraem” – gostamos é de quem se parece conosco
Um novo estudo aponta que não existe esse negócio de que os opostos se atraem. Na verdade, você gosta mesmo é de quem parece com você.

A análise

Pesquisadores da Universidade do Kansas e do Wellesley College foram às ruas em buscas de casais interagindo (de amigos, namorados, casados) e analisaram os pontos em comum das duplas: valores, traços de personalidade, atividades recreativas, consumo de álcool e drogas por exemplo. O resultado apontou que as relações que duraram mais e tinham mais intimidade eram aquelas em que as características dos envolvidos eram parecidas.

A pesquisa

A pesquisa afirma que o momento mais decisivo em um relacionamento são os contatos iniciais, é nessa fase que as pessoas decidem se vão investir ou não em outro alguém. “No início da relação, você tenta criar um mundo social que o deixe confortável, com pessoas para confiar e cooperar para atingir seus objetivos. A similaridade é muito útil nesse contexto, e pessoas são atraídas por isso na maior parte do tempo”, afirma Chris Crandall, co-autor da pesquisa.

Você influencia o outro?

Para os autores, ao contrário do que Hollywood prega, as pessoas não mudam durante a relação. A ideia não é afirmar que não há trocas ou ações que influenciam os companheiros. Elas existem, mas não transformam as pessoas. “Nós percebemos que existem intervenções, como pequenas mudanças na personalidade, atitudes e valores, mas, na verdade, há pouco espaço para que um influencie o outro”, diz Angela Bahns a outra responsável pelo texto.

Parceiros

A pesquisa, porém, afirma que não é como se as pessoas não conseguissem ter relações com seus opostos, na verdade, elas podem até ser duradouras e boas. Só que, se pudermos escolher, tende-se a ir pelo caminho mais semelhante.
“Estamos afirmando que selecionar seus semelhantes como parceiros é algo extremamente comum, tão comum que dá para apontar como uma característica psicológica”, diz Bahns.

Qual escolha vem primeiro

O estudo analisou as relações em pequenas faculdades do Reino Unido, e percebeu que lá as amizades tinham menos em comum do que em grandes campi, simplesmente porque faltava opção, mas os registros não mostravam que as pessoas eram menos ou mais amigas por isso. “Sabemos que as pessoas escolhem o semelhante primeiro. Mas, se você mudar seu rumo, pode encontrar excelentes amigos, relações significativas, com pessoas diferentes de você”, explica Crandall.

Fonte: http://super.abril.com.br/comportamento/esqueca-a-historia-de-que-opostos-se-atraem-gostamos-e-de-quem-se-parece-conosco

nossa mente
Últimos posts por nossa mente (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *