Decifrar Pessoas
14/09/2016
Quem nunca pensou alguma coisa e disse outra?
24/10/2016
Mostrar todos

A psicologia do amor segundo Freud

A psicologia do amor segundo Freud

A sexualidade é a fraqueza de todos e a Força. Sexo é o principal motivador e denominador comum para todos nós.
Mesmo os indivíduos aparentemente puritanos e mais prudentes podem lutar muito contra os seus apetites sexuais e a expressão deles. Como prova basta olhar para os muitos escândalos que abalaram o Vaticano e igrejas fundamentalistas iguais. Freud observou esta luta lasciva em homens e mulheres no início da Viena vitoriana. Mas nossa sexualidade nos define de maneira saudável e absolutamente essencial, também.

Cada parte do corpo é erótica

Freud sabia que os seres humanos eram seres sexuais desde o início.
Ele teve sua inspiração a partir da enfermagem: o bebê no peito da mãe pode ser usado para ilustrar o exemplo de uma sexualidade mais madura, dizendo: “Ninguém que tenha visto um bebê se afundar de volta saciado do peito e adormecer com as bochechas coradas e um sorriso feliz pode escapar da reflexão que esse quadro persiste como um protótipo da expressão da satisfação sexual mais tarde na vida. ”
Ele sabia, também, que a excitação sexual não se restringe a genitália, já que o prazer é conseguido através de ligação erótica para potencialmente qualquer área do corpo. Ainda hoje muitas pessoas que têm grande dificuldade em aceitar essa ideia.

A homossexualidade não é uma doença mental

Ele observou que os gays são muitas vezes distinguidos por um especialmente alto desenvolvimento intelectual e cultura ética. Em 1930, ele assinou uma declaração pública para revogar uma lei que criminalizava a homossexualidade. E em sua famosa carta a uma mãe que desejava curar seu filho da homossexualidade, Freud escreveu: “A homossexualidade não é seguramente nenhuma vantagem, mas não é nada para se envergonhar, nenhum vício, nenhuma degradação; ela não pode ser classificada como uma doença.” Isso foi em 1935.

Todos os relacionamentos amorosos contem sentimentos ambivalentes

Entre as várias descobertas de Freud estava a ambivalência envolvida em todos os relacionamentos próximos e íntimos. Embora possamos conscientemente sentir um genuíno e realista amor para com um cônjuge, companheiro, pais ou filhos, as coisas nunca são exatamente o que parecem. No mundo do inconsciente, abaixo até mesmo do envolvimento mais amoroso e carinhoso estão sentimentos, fantasias e ideias que são negativas, de ódio, e destrutividade.
Freud reconheceu que esta mistura de amor e ódio nas relações íntimas é parte da natureza humana e não necessariamente patológica.

Aprendemos a amar com nossos primeiros relacionamentos com os pais e cuidadores

Nossas primeiras relações com os pais e cuidadores nos ajudam a formar um “mapa do amor” que persiste ao longo de nossas vidas. Isto é por vezes referido como “transferência“. Freud apontou que quando encontramos um objeto de amor estamos realmente “reencontrando-o”. Daí o fenômeno reconhecido frequentemente de indivíduos que escolhem parceiros que lembram-os de sua mãe ou de seu pai, um dos três fatos sobre atração sexual que você não gostaria de saber.

Nosso amado se torna uma parte de nós mesmos

Freud observou as características, crenças, sentimentos e atitudes daqueles que amamos sendo incorporados na própria psique. Ele chamou esse processo de “interiorização”. O seu conceito em relação à profundidade da conexão entre as pessoas está contido em tais expressões como se referindo ao nosso amado como “minha cara metade.”

A fantasia é um fator importante na excitação sexual

Freud observou que a excitação sexual vem de três direções: o mundo externo (relações, história sexual), o interior orgânico (hormônios sexuais) e da vida mental (fantasias sexuais). Em nossas fantasias sexuais, que muitas vezes evocamos todos os tipos de cenários estranhos e “perversos”, adicionamos à excitação sexual e esperamos que levem ao prazer. Isso é normal e não significa que realmente queremos nos envolver em tais cenários.

nossa mente
nossa mente

Últimos posts por nossa mente (exibir todos)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *