Acumuladores Compulsivos
03/08/2016
Você tem fome de quê?
12/08/2016
Mostrar todos

Depressão pós-parto

A depressão pós-parto é um quadro clínico que pode surgir nas mulheres na fase puerperal, normalmente nas quatro semanas após o parto e se caracteriza pela presença de um conjunto de sintomas que prejudicam a relação entre a mãe e o recém-nascido.
A grande maioria das mulheres se sente triste nas primeiras duas semanas depois do parto, mas é uma melancolia que vai embora sozinha.
No caso da depressão pós-parto, a tristeza e a falta de energia não melhoram conforme o tempo passa. As situações que poderiam gerar prazer são cada vez mais raras.
Este tipo de depressão, atinge entre 10 a 20 % das mulheres quando iniciam a relação com os seus recém-nascidos, podendo começar na primeira semana após o parto e durar até 2 anos e apresentam choro, irritabilidade, cansaço e abatimento.
É muito importante que a mulher ou algum familiar reconheçam a depressão o quanto antes para que ela receba os tratamentos necessários.
Os especialistas não têm uma explicação exata para a depressão pós-parto, mas acreditam que seja uma combinação de fatores hormonais, ambientais, psicológicos e genéticos.

depressao-pos-parto-6

Os sintomas mais comuns são

– Tristeza constante, especialmente na parte da manhã e à noite
– Sensação de que nada de bom vem pela frente
– Sensação de culpa e de responsabilidade por tudo
– Baixa auto-estima
– Irritabilidade e falta de paciência
– Vontade de chorar o tempo todo
– Exaustão permanente, mesmo quando consegue descansar um pouco
– Dificuldade de se divertir
– Perda do bom humor
– Sensação de não conseguir lidar com as circunstâncias da vida
– Preocupação com sua própria saúde
– Falta de concentração
– Falta de apetite
– Pouco interesse pelo bebê, sensação de que o bebê é um estranho e não seu filho
– Pensamentos negativos demais em relação a você ou ao bebê
– Incapacidade para cuidar de si e do bebê
– Medo de ficar sozinha
– Dificuldade para pegar no sono.
– Vontade de fugir, de sumir
Esses sinais são frequentes em muitas mães. É normal ter dias ruins. Mas, se você está tendo esses sentimentos na maioria dos dias, e não parece estar melhorando, você pode estar com depressão pós-parto.
Quanto tempo depois do parto a depressão pós-parto acontece?
A depressão pós-parto costuma aparecer no primeiro mês depois do parto, mas também pode surgir a qualquer momento ao longo do primeiro ano do bebê. Em alguns casos, a mulher está se sentindo bem e se adaptando à vida de mãe, e a depressão aparece. Em outros casos, ela já estava deprimida durante a gravidez, e a chegada do bebê não gera um alívio.

A influência do parto

– A presença de conflitos emocionais está associada a fatores fisiológicos e emocionais e a situações de vida da mulher, como
– Estresse
– Dificuldades entre o casal
– Pouco suporte familiar
– Gravidez indesejada
– Outros

Ao nascer, a criança encarrega-se de uma variedade de funções fisiológicas que até então eram cumpridas pela mãe, como a respiração, a alimentação e outras. A mãe, que se adaptara ao estado de gravidez e incorporara o feto no seu esquema corporal, deverá passar por um novo processo de ajustamento, retornando à situação de não-gravidez.

No momento do parto há na mulher um sentimento de perda e de esvaziamento de partes importantes de si mesma e medo do desconhecido. Já a etapa do puerpério é caracterizada pela dualidade entre a situação do perdido, gravidez, e do adquirido, o bebê.

O conflito edipiano materno é ativado com o nascimento do bebê. Neste sentido, a maternidade é compreendida como um resgate e conquista da identidade feminina, sendo o bebê considerado um representante do falo paterno. Quando a mãe dá à luz uma criança do sexo feminino, revive sua história em relação à própria mãe de forma mais intensa, ocorrendo sentimentos ambivalentes, resultantes das dificuldades da elaboração da própria identidade feminina materna.

A perspectiva psicanalítica sugere que após o parto a mulher tem de realizar o luto de uma série de experiências presentes, nomeadamente o luto do filho imaginário, ideal (expectativas) e experiências passadas, como luto de anteriores experiências de separação com a mãe, ela identifica-se com o bebê e revive através dele a relação com a mãe.

Existem mulheres que possuem mais tendência a ter depressão pós-parto

Os especialistas ainda não chegaram a uma conclusão por que certas mulheres ficam deprimidas e outras não, porém há certas situações que parecem aumentar o risco de uma depressão pós-parto, como:
– Ter passado por uma depressão ou algum outro problema de saúde mental antes do parto
– Ter tido depressão durante a gravidez
– Ausência da família ou do parceiro por perto
– Dificuldades financeiras, no trabalho ou no relacionamento
– Ter passado por um parto difícil ou complicações de saúde no pós-parto
– O bebê nasceu prematuro ou com problemas de saúde
– Dificuldade em amamentar
– Perda de um ente querido, recentemente ou no passado

depressao-pos-parto-3

Sintomas de depressão pós-parto no homem

Os sintomas de depressão pós-parto masculina, normalmente, surgem desde o final da gestação até ao primeiro ano de vida do bebê e podem ser:
– Irritabilidade e impaciência;
– Tristeza e pensamentos negativos;
– Falta de vontade para conviver com outros;
– Choro fácil e constante;
– Falta de apetite;
– Dificuldade para se relacionar com os filhos;

Ansiedade e falta de atenção

Geralmente, os sintomas de depressão pós-parto nos homens estão relacionados com o aumento de responsabilidades, relacionadas com fornecer uma boa vida ao bebê e dar suporte emocional à esposa. Assim, o homem com sintomas de depressão pós-parto também deve consultar um psicólogo ou psiquiatra para iniciar o tratamento adequado.
Confira como pode ser feito o tratamento para curar a depressão pós-parto em homens e mulheres.

Tratamento da depressão pós-parto

É diferenciado e individualizado de acordo com a gravidade clínica. A pessoa que sofre com essa depressão, geralmente está indecisa, pelo que alguém da família tem que tomar decisões, inclusive para começar o tratamento.
A primeira opção é a prevenção. É preciso oferecer educação, psicoterapia de apoio e até medicação quando bem indicada e orientada. Qualquer tratamento deve envolver equipe multidisciplinar, com o obstetra, o psiquiatra e o psicólogo. O enfoque é sempre biopsicossocial, como em todos os transtornos mentais. Pais e familiares devem também ser orientados. Nunca devemos nos esquecer dos aspetos da vida do casal e das próprias expectativas de mudanças da vida social que podem intimidar ou assustar algumas futuras mães.

Terapia

Conversar com alguém treinado para lidar com o que você está sentindo pode ser de grande ajuda. Muitas vezes somente a terapia já é suficiente para reverter o quadro, embora, em diversos casos, haja também a necessidade de associar ao tratamento algum tipo de medicação (que só pode ser prescrita por médicos).
Não se intimide em procurar ajuda especializada e encare isso como um ato de amor pelo seu bebê, para que você possa ser a mãe que sempre sonhou ser.

Superarando a depressão pós-parto

– Tente manter uma alimentação saudável
– Caso não tenha apetite, procure fazer pequenas refeições regularmente, para que os níveis de açúcar no seu sangue não caiam. Você precisa de energia, assim como seu sistema imunológico.
– Descanse bastante
– Durma quando conseguir, ou simplesmente relaxe. Se alguém puder cuidar do bebê para você, aproveite para tirar uma soneca durante o dia, tome um banho bem relaxante ou escolha uma boa leitura e curta alguns momentos de preguiça.
– Exercite-se
– Pode ser a última coisa que você tenha vontade de fazer neste momento, mas ter alguma atividade física vai ajudar você a se sentir melhor, tanto mental como fisicamente.
– Você pode entrar em alguma aula de ginástica, por exemplo. Mas, se não for possível, só de sair para uma caminhada você já verá benefícios.
– Encontre-se com outras mães
– A vida de uma mãe recente já pode ser bastante solitária, e o sentimento de solidão é pior ainda quando se convive com a depressão. Procure conhecer outras mães que estão na mesma fase de vida — é bom saber que não é só você que vive determinadas situações, como o cansaço de cuidar de um bebezinho.
– Veja ideias de como fazer novas amizades.
– Não seja dura consigo mesma
– Você está doente e precisa de tempo e espaço para se recuperar. Não se sobrecarregue de tarefas domésticas que não sejam urgentes e adie as “grandes” decisões por enquanto.
– Permita-se alguns mimos.
Aceite ajuda
Deixe que amigos e familiares façam tarefas por você, e peça ajuda especialmente ao seu parceiro. Peça que ele leia este texto especial para parceiros e familiares de mulheres com depressão pós-parto.

Antidepressivos

Os antidepressivos servem para reequilibrar as substâncias químicas no cérebro. Eles atuam para melhorar o seu humor, ajudar no sono e fazer com que você se sinta menos irritável.
Esse tipo de tratamento exige disciplina com horários e costuma levar de duas a quatro semanas para fazer efeito. Não desista por achar que ele não está melhorando em nada sua situação.
Lembre-se de que pode demorar um pouco para que seu corpo se adapte à medicação, e tenha em mente que às vezes a dose ou o tipo do remédio precisam de ajustes conforme a reação do organismo.
Não interrompa o tratamento sem conversar com seu médico antes, mesmo se achar que já está melhor, porque a depressão pode voltar de repente.
Também não se preocupe se estiver amamentando, já que há no mercado remédios compatíveis com o aleitamento materno. Se você notar alguma diferença no comportamento do seu bebê depois do início do tratamento, mencione para o médico que receitou o remédio ou para o pediatra.
É verdade que nem todos os antidepressivos funcionam para todo mundo, e pode haver efeitos colaterais. Em geral eles não provocam dependência, a não ser em casos raros

Conclusão

A depressão pós-parto deve ser tratada, e, mais do que isso, exige apoio integral da família, especialmente do marido que deve dar atenção redobrada e ter uma dose grande de compreensão. Embora tenha um bom prognóstico, não deve ser descuidada pois poderá agravar-se e prejudicar a vida da mulher e de sua família.

J. Pedro Parisotto Jr.

J. Pedro Parisotto Jr.

Estudante do último ano de Psicanálise Clínica
J. Pedro Parisotto Jr.

Últimos posts por J. Pedro Parisotto Jr. (exibir todos)

J. Pedro Parisotto Jr.
J. Pedro Parisotto Jr.
Estudante do último ano de Psicanálise Clínica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *